sábado, 26 de outubro de 2013

The Irrational Fear of GM Food

Raras vezes copio e colo um artigo neste blog, mas o caso em pauta é muito particular. Também dispensa comentários.Apenas um alerta: o artigo do Montagu insere-se em análise de risco, não é pertinente à avaliação de risco.(PPA)

Wall Street Journal Column: The Irrational Fear of GM Food
Billions of people have eaten genetically modified food over the past two decades. Not one problem has been found.
By MARC VAN MONTAGU, 2013 World Food Prize Laureate
Originally printed Oct 22, 2013 in the Wall Street Journal PDF Version

Farmers can now produce more crops in an environmentally sustainable way at a lower cost thanks to the efforts of hundreds of scientists over the past half-century. Seeds are developed in a laboratory and then field tested to enhance nutritional value or resistance to drought, disease and herbicides. Genetically modified crops are now planted on nearly a quarter of the world's farm land by some 17.3 million farmers. More than 90% of those farmers are smallholders who harvest a few acres in developing countries.

Society, the economy and the environment have benefited enormously from GM crops. India has flipped from cotton importer to exporter because of insect-resistant cotton. Herbicide-tolerant GM crops have stimulated no-tillage farming, reducing soil erosion and greenhouse gas emissions. Insect-resistant GM crops have cut insecticide sprayings by more than 25%—and as much as sevenfold in some parts of India. In developing countries, GM crops have helped ensure food security and bolster incomes for farmers, allowing parents to focus more resources on other priorities, such as educating their children.

Such remarkable achievements are only the beginning. Dozens of better GM crops are in the pipeline from companies, universities and public agencies around the world. Crops in development include virus-resistant cassava, a starchy root otherwise known as tapioca; nutritionally enriched rice that can help prevent blindness and early death among children; nitrogen-efficient crops that reduce fertilizer runoff; and many more.

These crops will continue to reduce hunger by bringing more bountiful and nutritious harvests. They will also help the environment by mitigating the impact of agriculture by conserving our precious, finite supply of fresh water; freeing up land for other uses, like carbon-absorbing forests; preserving topsoil; and reducing the use of insecticides and herbicides, thereby enhancing biodiversity.

These advancements are particularly timely given the environmental and demographic state of the 21st century. Between now and 2050, global population will rise by about one-third, to 9.6 billion from 7.2 billion, reducing arable land per capita. Almost all of that population growth will occur in the developing world, where about 870 million people are already suffering from hunger and malnutrition, according to the United Nations Food and Agriculture Organization. And 100% of it will happen during a period of greater climate volatility, which may place dramatic new stresses on agriculture.

The question of how to nourish two billion more people in a changing climate will prove one of the greatest challenges in human history. To meet it, we should embrace an agricultural approach that combines the best features of traditional farming with the latest technology.

Biotechnology offers an unparalleled safety record and demonstrated commercial success. Remarkably, however, biotechnology might not reach its full potential. In part, that's because outspoken opponents of GM crops in the U.S. have spearheaded a "labeling" movement that would distinguish modified food from other food on grocery store shelves. Never mind that 60%-70% of processed food on the market contains genetically modified ingredients. In much of Europe, farmers are barred from growing genetically modified crops. Even in Africa, anti-biotechnology sentiment has blocked its application. In Zambia, for example, the government refused donations of GM corn in 2002, even as its people starved.

Opponents of GM crops have been extremely effective at spreading misinformation. GM crops don't, as one discredited study claimed recently, cause cancer or other diseases. GM cotton isn't responsible for suicides among Indian farmers—a 2008 study by an alliance of 64 governments and nongovernmental organizations debunked that myth completely. And GM crops don't harm bees or monarch butterflies.

In fact, people have consumed billions of meals containing GM foods in the 17 years since they were first commercialized, and not one problem has been documented. This comes as no surprise. Every respected scientific organization that has studied GM crops—the American Medical Association, the National Academy of Sciences and the World Health Organization, among others—has found GM crops both safe for humans and positive for the environment.

As a plant scientist, neither I nor my fellow 2013 World Food Prize laureates, Dr. Mary-Dell Chilton and Dr. Robert T. Fraley, anticipated the resistance to genetic modification and biotechnology. After all, nearly everything humans have eaten though the millennia has been genetically altered by human intervention. Mankind has been breeding crops—and thereby genetically altering them—since the dawn of agriculture. Today's techniques for modifying plants are simply new, high-precision methods for doing the same.

Resistance to biotechnology seems all the more unbelievable considering that much of it comes from the same thoughtful people who tend to dismiss climate-change skeptics as "anti-science." It seems to me that much of the resistance to GM foods isn't based on science, but may be ideological and political, based on fears of "corporate profiteering" and "Western colonialism."

To note one irony: The extreme opposition to genetic modification has led to hyper-regulation of GM crops, which has raised the cost of bringing them to market. Now only multinational companies and large research entities can afford to comply with the rules. Smaller enterprises in developing countries are ultimately hurt much more than large conglomerates.

Anyone who cares about alleviating hunger and protecting the environment should work quickly to remove the bias against GM crops. A good first step is for educated, scientifically literate people to avoid being taken in by the myths about genetically modified food. These innovations have too much potential to empower individuals and feed the world to be thwarted by falsehoods and fear-mongering.

Dr. Van Montagu is founder and chairman of the Institute of Plant Biotechnology Outreach at Ghent University in Belgium. He is the co-recipient of the 2013 World Food Prize, along with Dr. Mary-Dell Chilton of Syngenta Biotechnology and Dr. Robert T. Fraley of Monsanto.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

No need for scientific consensus on GMO safety: how science is constructed and how risk assessment is made

On the 21st of October a new statement about GMO safety was brought to light by a group of scientists and other  professionals,  most of them well-known anti-GMO activists or otherwise deeply engaged in trying to prove that these organisms present risks to the environment and to health (see http://www.ensser.org/fileadmin/user_upload/First_Signatories_LV.pdf for the list of the first signatories).  The statement, entitled “No scientific consensus on GMO safety”, is a tedious list of arguments which can be easily found circulation in the internet, and is merely an attempt to transform their political convictions in scientific questions (http://www.ensser.org/increasing-public-information/no-scientific-consensus-on-gmo-safety/ ).
The first conceptual error is the somewhat naïve idea that science works by consensus and that only consensually accepted conclusions may be considered true. Not at all: science is not decided by consensus, but by majority (just take as an example the almost 100 years long dispute around vaccines). Results which are supported by other similar results and which are, therefore, inserted in the main body of evidences, are accepted. Those that contradict the main body are not discarded, but are provisionally “put in the fridge” while science waits for more supporting evidence. This rationale is used ever since science gained its true status, laid down by Galilei and other founders of the experimental method. Presently, the balance clearly leans toward the side of GMO biosafety, as can be easily appraised by the analysis of a recent review by Nicolia et al. (2013) on GMO safety research. In conclusion, the signatories and their like-minded will have to wait until a much larger bulk of evidences suggesting real risks is produced.
Indeed, the Statement wants do challenge the reality and tries to make an ant heavier than an elephant by just moving the fulcrum of the lever…

In their second statement the signatories argue that there are no epidemiological studies investigating potential effects of GM food consumption on human health. This is true: once a GMO is considered safe to be used as food or feed, there is no need for such studies. Moreover, these studies are presently very difficult or even impossible to be undertaken, as GM soybean and GM corn are mainly used in industrial foods and are widespread among daily dietary items. The only possibility would be to study such a question in animals, but even this idea is unrealistic due to problems in feed grain segregation, among other technical issues. However, billions of people and animals do eat food and feed formulated with GM plants, with no single record of health problems (except the isolated reports from those same people that now join the Statement). In conclusion, before a consistent body of science-based reports of problems is collected, there is no need for such epidemiological studies.
The signatories also believe claims that scientific and governmental bodies endorse GMO safety are exaggerated or inaccurate. And they go ahead citing a few organizations that may have considered the present method of risk assessment inappropriate or that may have considered the conclusions on risk levels inaccurate. So what? The important thing is: all official risk assessment agencies really dealing with GMOs (Australia, Brazil, Argentina, USA, Europe, New Zealand, etc., etc.) do agree GMOs are safe. Essentially all National Academies of Sciences also agree GMOs are safe. There are, again, a few isolated groups in an opposite position. However, as discussed before, there is no need for consensus, but here also the balance clearly leans toward the side of GMO biosafety.
A fourth assertion is: the recently disclosed results from the EU research project do not provide reliable evidence of GM food safety. So what? There are dozens of other results that support this idea and the undeniable fact that billions of humans and animals (including in Europe!) have been fed for 10 year with GM food/feed without any report of damage.
The signatories also state that the several hundred studies do not show GM food safety. They argue that the methodologies were wrong for the purpose of proving food security, but they take as standards their own “methodologies” and not those internationally agreed and consolidated in the Codex Alimentarius and other relevant documents. They should have a look on the impressive list of 1482 papers on GMO safety listed by Nicolia et al. (op. cit.).
In their sixth claim the signatories argue that there is no consensus on the environmental risks of GM crops. The isolated voices are those disagreeing with the main trend: this subject was treated above.
In their last claim they argue that international agreements show widespread recognition of risks posed by GM foods and crops. Not at all. The Cartagena Protocol and other agreements and treaties have been written many years ago and show a general worry about possible risks represented by GMOs. In no way they ascertain GMOs are risky, merely they could have risks. The accumulated experience with GM plants and with thousands of GM microorganisms clearly shows these worries have been grossly exaggerated.
In conclusion, the Statement lacks novelty and relevant information and should not be taken as a valid document to give rise to new discussions in risk assessment agencies and other related organizations.

Nicolia A, Manzo A, Veronesi F, Rosellini D. An overview of the last 10 years of genetically engineered crop safety research. Crit Rev Biotechnol. 2013 Sep 16. [Epub ahead of print]

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Transgênicos em debate: construção e segurança

Graças à ajuda fundamental do Prof. Dr. Rafael Dutra de Armas, do Departamento de Biologia Celular, Embriologia e Genética  da Universidade Federal de Santa Catarina, e de Ângela Mara Moura da Luz, será realizado mais um debate com minha participação, desta vez em Florianópolis. Os organizadores convidaram a Doutoranda Sarah Zanon Agapito-Tenfen, do Programa de Pós=Graduação em Genética da UFSC, que gentilmente aceitou, viabilizando o debate (no lugar de uma palestra que seria talvez mais longa e aprofundada, mas menos movimentada). Desde já agradeço aos organizadores e à Sarah pela ajuda e disponibilidade de tempo.

O debate terá lugar no Auditório do prédio da Aquicultura no dia 24 de outubro de 2013 às 14:00 h.

Passamos alguns links aos participantes, que são úteis a todos aqueles que debatem esta questão. Eles trazem, em boa parte, informações científicas de qualidade para o leitor, que podem subsidiar um entendimento mais aprofundado da questão da segurança dos transgênicos. Abaixo seguem os links.
2. perguntas frequentes e respostas do avaliador de riscos - http://genpeace.blogspot.com.br/2013/10/transgenicos-novos-temas-no-dialogo.html

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Oposição aos transgênicos encurrala agricultura mexicana – e no Brasil?

Recentemente um Tribunal Federal mexicano declarou os Ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente mexicanos inaptos a avaliar os riscos de OGM. O Tribunal também suspendeu toda e qualquer liberação planejada no ambiente e até mesmo as discussões sobre avaliação de risco nas comissões dos dois ministérios (http://www.inforural.com.mx/spip.php?article132518).
Como é possível que juízes saibam mais sobre o assunto de avaliação de risco de OGMs do que as equipes das autoridades nacionais sobre o assunto, registradas e reconhecidas pela Convenção de Biodiversidade? De fato, não sabem, mas seguem uma interpretação restritiva do Princípio da Precaução e atendem ao apelo midiático das organizações não governamentais nacionais e multinacionais que se opõem aos transgênicos.
O que de fato está acontecendo? Imaginemos o diálogo de um consumidor mexicano com um avaliador de riscos de OGM sobre a questão:
Consumidor - Com a proibição dos experimentos com milho GM nosso alimento futuro estará resguardado de conter milho GM?
Avaliador - Receio que não. O México não produz milho suficiente para seu consumo, sobretudo no caso do milho amarelo. E isso tenderá a continuar assim, porque a modernização do campo está muito atrasada e o país apresenta uma das piores produtividades médias da América Latina (http://imagenagropecuaria.com/2013/mexico-en-ultimos-lugares-de-al-en-productividad-agricola-fao/). Por isso, o México importa e continuará importando, produtos processados e grãos de milho transgênicos dos países exportadores (Estados Unidos, Brasil e Argentina). Os mexicanos, efetivamente, consomem regularmente milho transgênico, sem qualquer relato de problemas de saúde relacionados a isso.
Consumidor – Mas muitos argumentam que o milho transgênico faz mal à saúde e que há experimentos que demonstram claramente isso. Eu mesmo vi fotos de ratos com tumor devido à ração feita com base em certo milho transgênico.
Avaliador – Há um grupo de trabalhos publicados que pretendem mostrar danos à saúde provocados pelo milho transgênico ou por uma mistura de milho e soja transgênicos. Mas são trabalhos muito ruins, dos quais não se pode concluir nada (veja, por exemplo, http://genpeace.blogspot.com.br/2012/09/artigo-que-mostra-o-surgimento-de.html). Ao contrário, há centenas de trabalhos, com boa metodologia, que mostram a segurança destes produtos. E, o mais importante, há bilhões de consumidores, assim como você, comendo produtos feitos com base nestes milhos, sem relato de doenças. Você mesmo, seguramente, já comeu ou bebeu muitos produtos contendo milho GM ou seus derivados, e está aí muito bem.
Consumidor – Pode ser que o milho transgênico faça mal em longo prazo. Pelo Princípio da Precaução, empregado agora pelo grupo que conseguiu livrar o México dos transgênicos, não deveríamos consumir nem produzir este milho antes de termos certeza de sua inocuidade alimentar e de sua segurança ao ambiente.
Avaliador – Tudo na vida tem riscos, que devem ser pesados contra os benefícios. No caso das plantas transgênicas os benefícios estão mais do lado do produtor, mas também o consumidor se beneficia com produtos mais baratos e de boa qualidade. A prova disso é a adoção sempre crescente dos cultivos transgênicos no mundo (http://genpeace.blogspot.com.br/2013/05/cultivos-geneticamente-modificados-no.html). A decisão de plantar ou não um grão GM, uma vez que ele foi considerado seguro pela autoridade competente no país, é do agricultor. Assim, num país democrático, proibir um tipo de tecnologia em benefício de outra é restolho de ditaduras passadas. Além disso, o que cada um entende por Princípio da Precaução pode ser algo muito diferente daquilo que estabelece o Protocolo de Cartagena (na verdade, o texto vem da Convenção do Rio de Janeiro de 1992), que o México assinou e interiorizou em suas leis e normas. o Princípio 15 diz textualmente:
“De modo a proteger o meio ambiente, o princípio da precaução deve ser amplamente observado  pelos Estados, de acordo com as suas capacidades. Quando houver ameaça de danos sérios ou irreversíveis, a ausência de absoluta certeza científica não deve ser utilizada como razão para postergar medidas eficazes e economicamente viáveis para prevenir a degradação ambiental.”
A interpretação do Princípio da Precaução deve ser feita com cautela e sensatez. No caso dos milhos GM, não há demonstrações válidas de “ameaças de danos sérios e irreversíveis”. Alem disso, a certeza científica não deve ser estrita, ou seja, não tem sentido exigir certeza cientifica de ausência de risco, uma vez que risco é parte da vida; não existe risco igual a zero. Até o Princípio de Precaução não é isento de riscos e uma de suas interpretações mais extremas é: “Em caso de dúvida, nada faça!”.  A história mostra que os riscos decorrentes da interpretação restritiva do Principio da Precaução causam danos irreparáveis e irreversíveis. As milhares de mortes pela varíola nos 60 anos de proibição da vacina e a guerra da vacina no Rio de Janeiro no século passado são apenas alguns exemplos.
Consumidor – Pode ser que estejamos sendo muito restritivos em relação ao consumo do milho GM, mas não tenho dúvidas de que o milho transgênico vai levar à perda da diversidade do milho mexicano, Afinal, nós somos o centro de origem do milho e a entrada de transgenes nas variedades crioulas será muito danosa ao país e ao mundo. Isto está demonstrado pelas pesquisas feitas por muitos cientistas independentes.
Avaliador – Você sabe bem que o milho só se propaga com a mão humana. Não existem populações silvestres de milho em nenhuma parte do Mundo, nem mesmo no México. Por isso, as roças de milho existem onde o agricultor as planta. A intervenção humana garante que possamos ter centenas de variedades de milho no México, convivendo quase lado a lado, por séculos a fio. As variedades ditas “crioulas” convivem com variedades comerciais há dezenas de anos e nunca deixaram de ser crioulas. A presença de transgenes não muda nada neste cenário: eles não passam mais rápido aos outros milhos, não se fixam mais nas populações e não “contaminam” nada, uma vez que sua simples presença não muda o milho em uma planta diferente. A ideia de que a simples presença de um gene ou alelo numa população é uma “contaminação” que leva à impureza dos seus indivíduos, é uma tolice que beira perigosamente o nazismo.
Além disso, ao contrário do que você ouve dizer, não há artigos que demonstrem qualquer perda de agrobiodiversidade para variedades de milho devida à introdução de transgênicos ou mesmo de variedades comercias modernas. O que pode haver é abandono de variedades crioulas pelos seus mantenedores (ou “guardiões”), porque abandonaram a agricultura em busca de atividades mais produtivas ou porque decidiram plantar uma variedade de milho melhor (em termos de rendimento econômico). A produtividade média do milho crioulo no México está em torno de 800 kg por hectare, o que seguramente é insuficiente para sustentar uma família que em geral possui menos de um hectare para plantar e colher. É certo que, em outros países, o milho crioulo pode atingir produtividades de até 6 toneladas por hectare e tem gente que diz que chega a mais que isso. Mas estes milhos crioulos podem ter tido uma notável introgressão de genes das variedades comerciais e dos híbridos altamente produtivos introduzidos a partir da década de 50 na América Latina, provenientes dos EUA. Neste caso, eles são tão crioulos quanto a cantora Thalia...
A passagem e fixação de transgenes em teosinte, o ancestral do milho, nunca foi observada também e é muito pouco provável, dada a forma de cruzamento, propagação e persistência do teosinte no ambiente.
Consumidor – Se não há riscos concretos à saúde ou ao ambiente, porque há tantos grupos e indivíduos, inclusive acadêmicos, contra os transgênicos? Acaso a oposição não deriva de dados concretos e da precaução?
Avaliador – em minha leitura, a oposição deriva de uma postura anti-capitalista e anti imperialista, travestida de oposição científica. Não há problema algum em ser contra empresas estrangeiras no México, embora isso limite muito os ganhos que a economia mexicana possa ter. É assim perfeitamente válido lutar por uma agricultura 100% nacional, com práticas diferenciadas do resto da agroindústria mundial. Mas não se pode obrigar o agricultor a adotar um sistema “nacional”, por mais lindo e ideologicamente correto que seja, a menos que se extinga a democracia. E está inteiramente errado usar falsos argumentos científicos para convencer juízes leigos no assunto a declarar embargos e suspensões a atividades de pesquisa ou econômicas. É isto, infelizmente, que acontece no México e já aconteceu em menor escala no Brasil e ainda em escala maior no Peru.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Análise do Princípio da Precaução aplicado aos transgênicos

No excelente blog do José Flak encontrei uma chamada para um texto sobre os impactos do Princípio da Precaução em várias questões ligadas à alimentação e, certos casos, aos transgênicos. O resumo do texto, intitulado “Impact of the Precautionary Principle on Feeding Current and Future Generations”- A CAST report, pode ser lido em  http://socioeconomicbiosafety.wordpress.com/2013/06/25/impact-of-the-precautionary-principle-on-feeding-current-and-future-generations-a-cast-report/
É instrutivo observar como a definição frouxa deste Princípio deu margens a interpretações errôneas e levou a erros graves de decisão. O Brasil, como signatário do Protocolo de Cartagena, deveria seguir o que está dito no texto do Protocolo, mas cada um imagina o Princípio da sua cabeça e os erros se multiplicam.
Quem desejar baixar o texto pode fazê-lo de http://www.cast-science.org/download.cfm?PublicationID=276208&File=1e30e31d7dfb773256d67b393c19177b23c2TR. Recomendo fortemente a leitura deste texto.
Também recomendo a leitura do Guida de Avaliação de Riscos, em especial neste caso a parte que fala do Protocolo de Cartagena: http://genpeace.blogspot.com.br/2013/09/guia-para-avaliacao-do-risco-ambiental_687.html

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Transgênicos: novos temas no diálogo virtual

Seguindo o que já é tradição no GenPeace (http://genpeace.blogspot.com.br/2013/09/transgenicos-pros-e-contras-num-dialogo.html; http://genpeace.blogspot.com.br/2012/11/transgenicos-pros-e-contras-perguntas.html; http://genpeace.blogspot.com.br/2012/10/transgenicos-principio-da-precaucao.html e muitos outros), discuto outros temas comuns ao debate sobre os transgênicos. Alguns fogem bastante da questão da avaliação de risco e se inserem na gestão ou na comunicação de riscos, mas ainda assim creio que merecem uma abordagem neste blog. Boa leitura.

Afirmação: A tecnologia dos transgênicos não deveria substituir serviços ambientais como a biodiversidade, essencial para sistemas biológicos saudáveis.

Considerações: A biotecnologia agrícola não substitui serviço ambiental algum. Quando muito ela substitui a agroindústria convencional, não transgênica. Como disse numa outra postagem, a adoção de nosso modelo agrícola, extensivo e sempre demandando mais terras, não é uma opção dentre muitas, mas o modelo econômico para o qual o país foi empurrado pelo descaso com a educação. A substituição dele por um modelo ecologicamente menos impactante pode, num primeiro momento, reduzir a pressão sobre o ambiente, mas depois levará a um desequilíbrio da balança econômica, pela falta de exportação, e uma tragédia econômica e social para nosso país. Sair desta situação (de exportador de bens primários) não é fácil e não passa pela mudança da forma que faremos agricultura, mas pela educação de nosso povo e por uma mudança radical da matriz produtiva. Reduzir tudo à influência “nociva” da transgenia é um tremendo disparate, de um reducionismo radical, coisa que os “independentes” tanto condenam.

Afirmação: Todas as ditas grandes vantagens dos transgênicos poderiam facilmente ser substituídas por manejos adequados da biodiversidade, sem colocar em risco a saúde, o meio ambiente, sem empresas que contaminem biologicamente patrimônios da humanidade e as vendam como inovação tecnológica, sem agravar problemas do campo, sem agravar situações de vulnerabilidade socioeconômica, mas que pelo contrário, fortalecem todos estes aspectos.
Considerações: A troca da transgenia não seria feita por imposição, mas pelo mercado, a menos que quiséssemos voltar à ditadura. Se o país decidisse pela moratória dos transgênicos (o que seria uma manobra ditatorial, uma vez que grande parte do público não vê a tecnologia como risco, inclusive o produtor rural), a agroindústria voltaria ao uso de sementes melhoradas num modelo intensivo. Do ponto de vista do mercado, a troca desta forma de fazer agricultura por uma agricultura ecologicamente mais correta, porém menos rendosa ao agricultor (demanda mais mão de obra, tem problemas sérios de logística de transporte e de estocagem, depende de know how não disponível para grandes áreas, etc.), ainda que sustentável, não aconteceria facilmente. Assim, o problema não é a transgenia, mas o agronegócio atual, seja ele transgênico ou não. A transgenia, de fato, não muda nada neste cenário.
Afirmação: A biodiversidade tem o grande potencial de potencializar os outros serviços ecossistêmicos, coisas que nenhuma inovação tecnológica, seja real ou uma falácia, possam oferecer à humanidade.
Considerações: Esta é uma afirmação genérica, muito pretensiosa, que não está apoiada em evidências. A biodiversidade, em si, é um patrimônio. Ela não potencializa outros serviços ecossistêmicos, sendo apenas parte deles. Evidentemente, um ambiente biodiverso valoriza os serviços ecossistêmicos, mas isso é outra coisa. O que potencializa os serviços é a aplicação de técnicas adequadas, muito ao contrário do que se diz nesta afirmativa tão falaciosa quanto comum.
Afirmação: Quanto aos outros OGMs não agrícolas (por exemplo, os industriais), eles têm riscos controlados,  o que é tolerável, além de não serem utilizados na alimentação.

Considerações: Esta afirmação, também muito comum, é completamente infundada. Há um sem-número de OGMs que são empregados para a produção industrial de enzimas e outros insumos largamente empregados na indústria alimentícia. Além disso, transgênicos estão sendo desenvolvidos para biorremediação, mineração e muitas outras aplicações que envolvem a liberação no ambiente e não serão empregados na alimentação. A ligação entre alimentação e liberação no ambiente é uma mistura curiosa que atende a temores irracionais, e mais nada.

Afirmação: Os cientistas que se alinham ao main trend dizem que os estudos independentes não tem credibilidade, mas que credibilidade há em estudos financiados por empresas que sabem apenas defender seus próprios interesses e que agem sem transparência alguma sob a desculpa de proteção a propriedade intelectual?
Considerações: É exatamente isso: os cientistas, na sua imensa maioria, consideram os trabalhos “independentes” como de baixíssima qualidade. Além disso, e que é muito mais importante, a ciência “oficial” tem montes de resultados que contradizem os poucos resultados “independentes”. Como ciência é feita por maioria, vale o que a maioria diz.
Quanto à questão de credibilidade dos trabalhos científicos, saiu recentemente um artigo (ver abaixo) que revê essencialmente tudo que foi publicado em revistas científicas sobre riscos de transgênicos. O artigo é de Nicolia e colaboradores e acaba de ser publicado na Critical Reviews on Biotechnology. Vale a pena a leitura. Ele tem como anexo online uma impressionante tabela com todos os artigos referenciados: tirando os que são sobre rastreabilidade, há 1482 artigos sobre todos os aspectos de biossegurança e avaliação de risco de transgênicos. Alguém, em sã consciência, pode achar mesmo que todos eles foram pagos pelas multinacionais, exceto os poucos "independentes"? Pois estaria completamente enganado. Quem quiser conferir, olhe ao menos uma centena deles, tomados ao acaso, e verá que são financiados pelos "CNPq"s de cada país.
Nicolia A, Manzo A, Veronesi F, Rosellini D. (2013) - An overview of the last 10 years of genetically engineered crop safety research. Crit Rev Biotechnol. 2013 Sep 16. [Epub ahead of print]. PMID: 24041244. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24041244
(o artigo completo, infelizmente, não está disponível no Portal Periódicos da CAPES)

Afirmação: Se a biotecnologia agrícola é tão inócua, deveriam se orgulhar e divulgar os achados com toda transparência que lhe cabe.
Considerações: A divulgação é grande, mas como o público gosta de ler desgraças e previsões apocalípoticas, prefere acessar os sites que acreditam nos riscos enormes e danos graves dos transgênicos. Recomendo a visita ao site do CIB (www.cib.org.br) para uma leitura do lado positivo dos transgênicos. Há muitos outros, naturalmente.

Afirmação: Quanto às espécies crioulas, elas devem ser conservadas, não preservadas.
De nada adiantaria tê-las se fizéssemos apenas usos indiretos, que seria a preservação. Além do mais é sintomática e muito preocupante a contaminação crescente de variedades crioulas por transgênicos.
Considerações: Aqui a questão pode ser preservar ou conservar, depende do enfoque. Para que nos servem os milhos crioulos? Se considerarmos seu valor intrínseco, precisamos preservá-los, o que só pode ser feito no banco de germoplasmas, uma vez que o milho não se propaga sem a mão humana. Se quisermos conservar, podemos usar duas estratégias: manter as variedades em campo, cuidando para que elas não sejam perdidas por mau manejo e, periodicamente, usá-las (o uso mais importante é obter delas novos alelos importantes na agricultura); ou, alternativamente, buscar no banco de germoplasma os alelos que precisamos. A estratégia de conservar em campo é perigosa por causa dos cruzamentos com variedades comerciais avançadas e com híbridos, que representam o mesmo problema que os transgênicos quando a questão é conservar os genomas crioulos. Até agora os agricultores que têm milhos crioulos creem que conseguem conservar suas variedades ao longo de gerações. Se seguirem com as mesmas práticas, não há razão alguma de acreditar que não consigam fazer o mesmo na presença dos transgênicos. Quanto à “contaminação crescente de variedades crioulas por transgênicos”, é coisa que se lê com frequência, mas não há um único estudo sério sobre isso.

Afirmação: A impossibilidade de coexistência entre transgênicos e não-transgênicos (que os adeptos do main trend alegam não ocorrer) seria algo para se preocupar enormemente, pois coloca em risco a segurança alimentar e nutricional de todos. Além dos problemas associados especificamente aos transgênicos, a questão da patente das sementes tira totalmente a soberania alimentar dos povos.
Considerações: A questão de coexistência só não está resolvida para um restrito grupo de pessoas: a coexistência de variedades de milho é tão antiga quanto o próprio milho, afinal. Quanto à questão de segurança alimentar, a afirmação é completamente errada. Passamos aos leitores um trecho de outra postagem nossa sobre o assunto.
Muitos brasileiros imaginam que as grandes empresas transnacionais que detêm a tecnologia das plantas GM terão o agricultor brasileiro pelo cabresto e, consequentemente, o país todo. Há duas inverdades aqui:
a)       A tecnologia GM não é exclusiva das transnacionais e está interiorizada no Brasil. Se não temos uma porção de produtos “made in Brazil”, como o feijão, a culpa exclusiva é do regulatório absurdamente caro que se montou neste país e a falta de incentivo para o desenvolvimento de transgênicos nas empresas brasileiras, inclusive e sobretudo na Embrapa.
b)       Além disso, se houver qualquer ameaça à soberania alimentar do país (cujo conceito discutiremos mais abaixo), o Governo pode simplesmente quebrar as patentes e desenvolveremos novas variedades a partir destas que estão no mercado. É evidente que isso não é esperado, nem desejado, uma vez que o respeito aos direitos dos inventores é a base para que nossa própria tecnologia possa se desenvolver no futuro.

Afirma-se com frequência que haverá insegurança alimentar por causa das patentes e dos transgênicos. Muito bem, o que é isso? Cada leitor imagina seu conceito de segurança alimentar, um ponto realmente importante de consideração quando se pensa uma nação. Mas é preciso haver um denominador comum para a discussão. Pela necessidade de discutir este conceito, esta parte da nossa postagem está consideravelmente expandida.

O conceito mais limpo de adições ideológicas para segurança alimentar e nutricional diz: Todos devem ter acesso a quantidade suficiente de alimento e este deve ser de boa qualidade. Adições subsequentes definem quem deve garantir o fornecimento do alimento e o que se entende por qualidade. Ainda outras considerações são feitas sobre a forma como o alimento deve ser produzido (sustentabilidade do sistema de produção) e que dieta é a adequada para o brasileiro. Aí entram as ideologias, em geral conflitantes.

Um conceito mais elaborado, já adicionado de algumas considerações sócio-econômicas diversas, segue abaixo:
“Segurança Alimentar e Nutricional é a garantia do direito de todos ao acesso a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente e de modo permanente, com base em práticas alimentares saudáveis e respeitando as características culturais de cada  povo, manifestadas no ato de se alimentar. Esta condição não pode comprometer o  acesso a outras necessidades essenciais, nem sequer o sistema alimentar futuro, devendo se realizar em bases sustentáveis. É responsabilidade dos estados nacionais assegurarem este direito e devem fazê-lo em obrigatória articulação com a sociedade civil, dentro das formas possíveis para exercê-lo.” (Caderno ‘Segurança Alimentar’. Renato S. Maluf (CPDA/UFRRJ, Brasil), Francisco Menezes (IBASE, Brasil); Com a colaboração de Susana Bleil Marques (Partes 12-13))

Este conceito está em grande parte espelhado na “Lei de Segurança Alimentar e Nutricional”. Segundo a LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006., artigo 3º.,
“a segurança alimentar e nutricional consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, cultural, econômica e socialmente sustentáveis”.  

Adicionalmente, no seu artigo 4º., a mesma lei afirma: a segurança alimentar e nutricional abrange:
I – a ampliação das condições de acesso aos alimentos por meio da produção, em especial da agricultura tradicional e familiar (o grifo é nosso), do processamento, da industrialização, da comercialização, incluindo-se os acordos internacionais, do abastecimento e da distribuição dos alimentos, incluindo-se a água, bem como da geração de emprego e da redistribuição da renda (o grifo é nosso);
II – a conservação da biodiversidade e a utilização sustentável dos recursos; (o grifo é nosso)

Pela leitura das duas definições, é evidente que uma parte do Governo e da sociedade brasileira inclui na segurança alimentar a forma de produzir os alimentos e toma um partido muito claro: ele deve ser produzido preferencialmente pela agricultura familiar, de forma “sustentável”, isto é, evitando-se a agricultura intensiva, com uso de fertilizantes, pesticidas e sementes melhoradas. De onde vem este viés? Primeiro, pelo fato de que a agricultura familiar e a pequena agricultura levam diariamente à mesa dos brasileiros uma grande variedade de alimentos e empregam uma grande massa de trabalhadores. Isto é certo. Mas não é menos certo que o agronegócio também tem sua contribuição importante, sobretudo através dos alimentos processados, que comemos todos os dias: cuscuz, canjica, polenta, pipoca, óleo, margarina, arroz, trigo (pão, bolos, salgadinhos e um mundo de outras coisas), feijão, cebola, laranja, açúcar e uma infinidade de outros produtos, in natura ou processados. Assim, não é verdade que o brasileiro seja alimentado apenas pelo pequeno agricultor: ele depende dos dois para sua refeição diária e para que a possa adquirir a preços razoáveis. Por isso, a segurança alimentar e nutricional deve procurar o fortalecimento das duas cadeias produtivas e não demonizar a agricultura moderna como mãe de todos os males nutricionais e ambientais. Uma posição pragmática, e não ideológica, deveria nortear a política de segurança alimentar e nutricional do Brasil, coisa que não se alcançará tão cedo, infelizmente.

Em tempo: a retirada de apoio ao agronegócio e a criação de obstáculos ao seu desenvolvimento, aliadas a um forte apoio à agricultura familiar pode, num primeiro momento, fomentar a redistribuição de terras e a uma melhor distribuição de renda no campo, mas terá consequências danosas ao resto da sociedade, uma vez que em torno do agronegócio orbita a economia de centenas de municípios brasileiros que, numa perspectiva de domínio da pequena agricultura, nunca atingirá a produtividade necessária ao ingresso na cadeia da agroindústria, nem contribuirá para a balança comercial brasileira. O leitor poderia se perguntar: e daí? Quem se importa com ela? Acontece que a agroindústria distribui os lucros advindos de seus produtos numa extensa e complexa cadeia, pois os produtos industrializados movimentam um grande número de diferentes setores, ao contrário daqueles consumidos in natura. O sucateamento deste setor da economia, em nome de um combate às multinacionais e de uma pretensa conservação do ambiente, seria um imenso prejuízo para nosso país. Isso não quer dizer que não se coloque freios à expansão das fronteiras agrícolas e ao mau uso das terras, seja pelo agronegócio, seja pelo  pecuarista ou agricultor individual, que é coisa certa de ser perseguida.

A questão da sustentabilidade é também entendida pelo legislador como importante no contexto da segurança alimentar, embora seja alvo de leis específicas e de toda uma política de governo, muito mais abrangente que a questão da segurança alimentar. Pela leitura dos textos legais o viés claro é que a pequena agricultura familiar é mais sustentável do que o agronegócio. É evidente que uma pequena lavoura conduzida de forma tradicional impacta muito menos o ambiente que uma grande plantação intensiva. Aqui temos um caso típico de comparação entre coisas desiguais: se o tamanho da lavoura tradicional fosse compatível com os níveis de produção que o país precisa, a figura seria totalmente diferente. A sustentabilidade envolve uma série de parâmetros distintos, quase todos ligados aos ecossistemas, mas não se pode desprezar a produtividade do sistema por hectare, que ao final é o que move a agroindústria. Diz-se com frequência que a pequena agricultura familiar é tão ou mais produtiva que o agronegócio, mas não há dados abrangentes que provem isso e o mercado aponta na direção exatamente contrária.

E, finalmente, porque a segurança alimentar ficaria comprometida com os transgênicos? A primeira linha de argumentação diz respeito à produção, que envolve royalties e outras formas de dependência derivadas do uso das sementes GM. Mas isso já ocorria em grande parte com as sementes não GM. De toda forma, o agricultor pode sempre plantas suas próprias sementes e o Governo pode até mesmo quebrar patentes, como comentado antes, caso o mercado se descontrole e coloque em risco a alimentação do brasileiro. A segunda linha de argumentação diz respeito à qualidade dos produtos que chegam à mesa do brasileiro: os derivados da agricultura familiar seriam melhores, e os da agroindústria tóxicos e perigosos. Infelizmente, ocorre o contrário: num estudo feito pela ANVISA, resíduos de agrotóxicos acima dos níveis permitidos pela legislação ou ainda de agrotóxicos proibidos para a cultura examinada foram encontrados em produtos oriundos da agricultura familiar em porcentagem muito significativa. Já nos derivados do agronegócio não há um único relato. As razões disso estão discutidas em outra postagem nossa (http://genpeace.blogspot.com.br/2012/02/agrotoxicos-e-transgenicos-no-brasil.html). Por outro lado, o valor nutricional dos alimentos formulados com grãos transgênicos é idêntico ao obtido com grãos não transgênicos; no futuro, poderá ser até melhor, com menos componentes nocivos e mais proteínas e vitaminas benéficas.
Assim, somo forçados a rejeitar totalmente esta afirmação.
Um último comentário: os pequenos agricultores familiares compram com frequência sementes de hortaliças e fruteiras. Vão nas lojas e adquirem as variedades que lhes interessam. E pagam royaties, evidentemente. Em que medida isso compromete a alimentação do país? Em nada. A afirmação de que royalties em sementes comprometem a agricultura e a soberania é um mantra repetido à exaustão, sem qualquer base na realidade.

Afirmação: A inocuidade de produtos da transgenia não quer dizer que o transgene ou o transgênico seja inócuo. Isso é sofisma e não é nada científico.
Considerações: nenhum avaliador de risco jamais dirá uma coisa destas, porque o cerne da avaliação de risco é exatamente o impacto que o transgênico (ou OGM) pode ocasionar, DIRETAMENTE, ao ambiente. Esta afirmação é vazia, pelo menos na forma como aparece na carta que recebemos.

Afirmação: Em geral o público não vê a transgenia associada com sustentabilidade, a não ser que seja a sustentabilidade econômica das gigantes do oligopólio das sementes e agroquímicos.

Pois é, o público não vê porque só lê a propaganda contrária. A contribuição dos transgênicos na redução do uso de inseticidas e, sobretudo, no uso de máquinas (diesel), na emissão de CO2 e no uso de água é impressionante. Sugerimos a leitura de http://www.celeres.com.br/post.php?p=138&lang=pt. No futuro, contudo, a contribuição será muito mais importante, pela introdução de plantas que crescem em áreas degradadas, de variedades mais produtivas, que necessitam menos água, etc. É esperar para ver.

Afirmação: os que defendem o uso de transgenia no campo desconhecem as iniciativas do Governo Federal no incentivo de outras formas de agricultura, como o PLANAPO (Plano nacional de agroecologia e produção orgânica - http://portal.mda.gov.br/portal/institucional/planapo), que estimula a transição agroecológica, a qual regenera solos e pode produzir em diversas escalas.

Considerações: os cientistas que sentam na C TNBio, sobretudo os que têm formação agronômica, acompanham de perto o que o Governo Federal faz pela agricultura e pela pecuária. Não desconhecem, em absoluto, que o Governo tem seu lado agroecológico. Os grandes agricultores, então, nada desconhecem de políticas e iniciativas de Governo, seja na área do MAPA, seja no MDA. Se não decidem pela agroecologia em grandes extensões, é coisa que se deveria perguntar a eles, em vez de culpar as grandes empresas.
Na verdade, o Governo Federal tem duas faces, a do agronegócio e a da agroecologia e da agricultura familiar, e está certo: o país tem largas hostes de brasileiros dos dois lados e seria politicamente insensato tomar partido exclusivo por um lado ou outro.

Para concluir: os que se opõem ao uso da biotecnologia no campo (e, em menor grau, em outras áreas) julgam que os que apoiam a biotecnologia são uns ignorantes crassos, que nada entendem de ecologia, biologia da conservação, genética de populações, economia e política, e que só leem o que lhes apoia as ideias e preconceitos. Mas não é assim: em geral sabem tanto ou mais do que os que se opõem à transgenia. Este conhecimento, contudo, é em grande parte inútil na CTNBio, onde se faz EXCLUSIVAMENTE avaliação de risco, que só vê os problemas biológicos diretos causados pelos OGM, jamais suas virtudes e seus impactos sócio-econômicos.

domingo, 6 de outubro de 2013

Milho Bt não é fracasso por causa de casos de resistência, mas aponta para desrespeito às boas práticas agrícolas


É recorrente na mídia a afirmação de que a tecnologia Bt é um fracasso porque aqui e ali aparecem casos de resistência à lagarta. Mas será verdade esta acusação sistemática a esta classe de plantas transgênicas?

A causa desta perda de eficiência é o aparecimento de insetos com genes de resistência em homozigose. Porque isso acontece, se o gene de resistência é raro na população original de insetos?

A causa mais provável é a seleção dos insetos parcialmente resistentes sem a disponibilização de insetos susceptíveis. Quando isso acontece, dois insetos parcialmente resistentes, com cópia única do alelo de resistência, têm maior chance de cruzarem entre si. Mas de onde viriam os susceptíveis, se todos na plantação que não são resistentes (nem sequer parcialmente) morrem? Eles vêm de áreas dentro da plantação que são semeadas com uma variedade não resistente ao inseto e, portanto, não Bt. Estas áreas são conhecidas como refúgios. Se elas não são adotadas, a probabilidade de aparecimento de resistência aumenta muito.

Ora, a adoção dos refúgios é muitas vezes vista com desconfiança pelo agricultor. Assim, sua adoção varia muito, mas em geral está abaixo do determinado pelas boas práticas agrícolas. Isto, aliado a outros desvios do que recomenda o Manejo Integrado de Pragas, é o que determina a perda da tecnologia Bt numa determinada área. Os insetos resistentes podem, em condições favoráveis, se espalhar para outras áreas.

Concluímos com aquilo que todo agricultor sabe: a tecnologia Bt está longe de ser um fracasso, muito pelo contrario. Ela é, de fato, uma importante aliada do agricultor, mas não pode ser tomada como única ferramenta de combate aos insetos, mas encarada como parte indissociável do Manejo Integrado de Pragas.
Recentemente uma nova postagem mostra de forma muito clara e didática como se deve proceder à adoção de refúgios no caso do milho Bt. Recomendamos a leitura:

Transgênicos estendem a "Engenharia Genética Natural" e não trazem surpresas: palestra do Prof. Nóbrega


O Dr. Francisco Gorgônio da Nóbrega, membro da CTNBio e destacado pesquisador (veja CV em ) participou no ano passado do evento TEDx de SJ Campos e falou sobre "Engenharia Genética Natural". Na sua palestra compacta e muito informativa ele discorre sobre a forma com a Natureza troca genes e a maneira como nós a copiamos, tanto no desenvolvimento de novas variedades por melhoramento genético clássico como por engenharia genética. E conclui dizendo que a ojeriza ao uso de genes interespecíficos na obtenção de novas cultivares beira o racismo.

O link para a palestra está em http://www.youtube.com/watch?v=pKqPHhar2Ao

Creio que a palestra tem muita utilidade para ajudar a reduzir os assombramentos induzidos pela propaganda enganosa contra as plantas GM.