sábado, 24 de maio de 2014

Perguntas e respostas sobre OGMs: GMO answers

Frequentemente lemos ou ouvimos afirmações ou perguntas sobre os OGMs que pedem uma busca a fontes fidedignas. Uma destas fontes pode ser http://gmoanswers.com/ , um blog dedicado a responder de forma científica a perguntas que comumente são feitas aos avaliadores de risco, como os membros da CTNBio. Aliás, muitas vezes são perguntas que eles mesmos se fazem e que também estão respondidas em nosso blog. Exemplos destas perguntas e respostas estão em http://genpeace.blogspot.com.br/2013/09/transgenicos-pros-e-contras-num-dialogo.html e nos links desta postagem.

Como exemplo está o link para a pergunta:
Você diz que alimentos formulados com OGMs são seguros e que isto está provado em muitos estudos. OK. Você poderia citar os últimos 10 estudos que mostram isso e onde posso encontrá-los? Quem apoiou estes estudos?
O link deste blog tem respostas de vários especialistas e uma profusão de informação.

Há muitos outros blogs excelentes que desmascaram o fabulário contra os OGMs, um dia destes vou listá-los.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Google– based translation of China Academy of Military Sciences ex-vice president´s text on the hypothetical correlation of transgenic soybeans/glyphosate and diseases in China. The translation was further reviewed and commented by GenPeace.

In the last two weeks a mess was created around an “article” published at the official “journal” of the Chinese “Military Academy of Sciences” by its vice-president. The “paper” “proved” that glyphosate was the cause of the sharp increase in the incidence of different diseases among Chinese people. However, the “paper” was just a communication, sort of personal report, by a retired military officer, containing a couple of speculative considerations on the origin of the abovementioned increase in disease rates. The image of the report is below and for those fluent in Chinese here is the link for the full text: blog.sina.com.cn/s/blog_4bb17e9d0102edhg.html 

As not many occidentals can read Chinese, GenPeace advanced a trial translation using Google and reviewing the product on the light of previous knowledge on the subject.

It is obvious that our good Lieutnan General was completely dominated by the GMO opposition, repeating as a parrot every non-sense that circulates in the internet and citing the trash literature that usually supports their claims. To those interested in a detailed analysis of the Lieutnan´s text, here is the translation from the Chinese original using Google translate, detailed commented.


Our country is the home of soybeans until 1994; before this date, the country was a net exporter of soybeans. Since 1995 China began to import soybeans; after a sharp rise in imports, in 2010 imports exceeded 50 million tons , in 2012 China imported 58.38 million tons of soybean , soybean imports reached 63.38 million tons in 2013 , accounting for 80 percent of China 's soybean market .
Imports of genetically modified soybeans were mainly U.S. multinational Monsanto developed genetically modified Roundup Ready soybeans. Monsanto Roundup, developed in the United States in the 70s of the last century, the introduction of the patented product herbicides, and then use the U.S. military in the Vietnam War as a defoliant ( Agent Orange )1 have a special relationship: the main ingredient is glyphosate, which toxicity is increased by some polyethoxylated tallowamine adjuvants, such as POEA. In 1997, a glyphosate-resistant enzyme gene from Agrobacterium tumefaciens was isolated by Monsanto the United States, and the gene was transferred into soybeans and other crops. In crop management, spraying glyphosate-based herbicides can effectively eliminate weeds and non transgenic common crops, but will not kill glyphosate-resistant transgenic crops expressing the enzyme, thereby facilitating large-scale GM crop cultivation, saving labor costs. But as the result of spraying glyphosate , not only due to the lack of aromatic amino acids2 , GM soybeans have serious nutritional deficiencies [ 1 ]3, and glyphosate residues can be found through the roots , stems and leaves in the plant, which can´t be removed by washing, ending up into the body after eating.
In April 2013 , an independent research institute4 in Germany , using the" Biological test technology" searched for glyphosate residues in genetically modified soybeans in Argentina. After sampling and analysis , seven out of 11 samples were found to contain of more than 20mg/kg glyphosate, with one of the reaching 97.36 mg / kg. [ 2 ]
Glyphosate is a toxic chemical and large doses of glyphosate are lethal; China and other countries recognize cases of glyphosate suicide case. In Japan, some studies show that Roundup lethal dose for an adult male is 250 ml5, while a lower dose and micro- doses of glyphosate can lead to chronic toxicity.
According to the research report by the U.S6 , France, Canada , Egypt, Brazil , Argentina, India, Thailand, China and many other scientific bodies showed that traces of glyphosate have mutagenic toxicity, tumor -induced toxicity , reproductive toxicity, developmental toxicity , neurotoxicity , genetic toxicity and immune toxicity. April 18, 2013 , Prof. Stephanie and others7 from the Massachusetts Institute of Technology published a paper stating that glyphosate interfers with cytochrome P450 enzymes, and leads to amino acid biosynthesis inhibition among gut microbiome, in what was defines as The Road to Modern diseases; the meta analysis collected 286 papers worldwide in the scientific literature , from a statistical point of view , and biological mechanisms , elaborated glyphosate pollution and diabetes , infertility , cancer, fetal abnormalities , autism, attention deficit hyperactivity disorder , fatty liver , there is a causal relationship between cardiovascular disease , depression , Alzheimer's disease , Parkinson's disease , cerebral thrombosis , cerebral hemorrhage dozens of diseases. 8 [ 3 ]
In recent years , the EPA drinking water standards have been restricted to glyphosate content that glyphosate residue concentrations should not exceed 0.7mg / L, and explain the harm is caused by kidney damage and reproductive difficulties9. [ 4 ]
The Ministry of Health developed national standards G52763-2005 thereby " maximum residue limits for pesticides in food " were provided: glyphosate residues in fruits shall not exceed O.1mg / kg, corn glyphosate residues shall not exceed  1mg / kg. But I do not know why the above criteria for  glyphosate residue limits do not make provisions for soybeans.
2002 China's " genetically modified food and health management approach" has been clear stating that GM foods nutritional value and food safety shall not be less than the corresponding conventional food, and I do not know why the July 1, 2007 amendment just abolished the clause on genetically modified food nutritional value and safety requirements.
Because China's national standards for allowable residues of glyphosate soybeans have not been established so far have, and because the glyphosate content of imported genetically modified soybeans was not tested or reported by Ministry of Agriculture of China, it is difficult to accurately calculate China's soybean imports of glyphosate residues. 2013 China's imports of genetically modified soybeans from United States and other countries implied in a 6,338 tons of glyphosate; assuming the country population as 1,3 bi. people, the annual per capita imports of genetically modified soybean reaches about 50kg. Based on the detection of glyphosate residues in genetically modified soybeans in Argentina and assuming only a sample of the lowest level of glyphosate (20 mg/kg) for calculations, it is estimated for 2013 a per capita intake of glyphosate from ingestion of genetically modified soybeans of 1000 mg. It means a per person per day as high as 2.74mg10.
U.S. government to take on GM soybean production subsidies to $ 59.1 per ton in 2004 subsidy standard calculations, in 2013 the United States exported to China transgenic soybean 63.38 million tons , a total subsidy of $ 3.8 billion giant . U.S. soybean farmers through their huge subsidies , dumping of Chinese , a few years it destroyed the traditional Chinese soybean industry .
( Reprinted by Note : This paragraph contains an error , China in 2013 imports of " genetically modified soybean 63.38 million tons ," not all imports from the United States , however , the international trade of genetically modified soybean prices are directly affected by the U.S. agricultural subsidies . ) 11
China's imports of genetically modified soybeans are mainly used to extract edible soybean oil ( the main brand is " Arowana ", etc.), not due to its quality , but because of its low price. GM soybeans quickly monopolized the Chinese soybean market, covering almost nationwide most of the restaurant industry and food units. Glyphosate in soybean oil form transgenic grains is uptake three meals a day in most of the country  and continues to penetrate into the human body. Consumers include children in kindergartens, schools, universities and students, the PLA (People´s Liberation Army) officers and agency personnel and other consumers in the school (except for special units ) .
The past 20 years , the health of our people deteriorated sharply , the incidence of some diseases straight up shocking. In 1996 , China's birth defects was 0.87% , in 2000 , rising to 1.09% in 2010 , rising to 1.53% ; [ 5 ]
According to the " Reference News" (June 2, 2013) , a survey reported by a site in the United States that 40% of the elderly over the age of 60  showed depression compared, significantly more than young people; [ 6 ] 12
November 22, 2011 "Xinmin Evening News " revealed that precocious puberty among Chinese girls was 10 times the rate of the last decade; 2010 the Beijing Municipal Government issued the first " White Paper on public health" and revealed an increase in the incidence of type 2 diabetes increased by 11.7 times ;
April 2, 2013 " Zhengzhou Daily" reported that the number of diagnosed autistic children increased a hundred -fold in 20 years, February 20, 2013 " Sichuan News Net - Chengdu Daily " revealed : "In recent years , China Children's Oncology the incidence is rising, the average per 10,000 children, children with cancer will have a child in all tumors, leukemia, brain tumors , malignant lymphoma and neuroblastoma pathogenesis number in the top four . 13;
2012 China Population Association released the " 2012 China White Paper survey sperm quality ," the survey data show that China's infertility patients since before reached more than 50 million , accounting for 15.6% of the population at childbearing age . 10 years ago ( 2002 ) this figure was 8 %, 20 years ago ( 1972 ) , 3 % and 40 years ago ( in the 1970s ) , no more than 1%.
According to Xinhua reports , China 's incidence of Parkinson's disease in the past 20 years showed a growth of at least 20 times ; [ 7 ]
China's current incidence of cardiovascular disease more than 13% [ 8 ] ; chronic kidney disease population reached 10%. [ 9 ]
As low and micro- doses of glyphosate have progressive , stealth and long-term characteristics, the risks of genetically modified soybean oil , unlike other poisons, can´t get immediate direct proof. In recent years, China National health condition deteriorated sharply and despite the weather , pollution and other factors, the dangers of genetically modified soybeans can´t be ruled out. Ensure the absolute safety of food  is an unswerving policy of the country . On this issue of vital importance , we have no room for trial and error . According to the March 3 "Yangcheng Evening News" report, the U.S. Environmental Medicine Academy officially announced : genetically modified foods cause serious harm to human health14. Back in May 2009 , the hospital15 issued a research report saying : "Some animal studies suggest that eating GM foods have serious damage to health risks, including infertility, immune problems , accelerated aging , insulin regulation , and changes in major organs and stomach changes in the intestinal system, " Xinhua March 15 , Paris : French Ministry of Agriculture on March 15 announced the decision to ban the cultivation, use and sale of the U.S. Monsanto developed GM maize MON810 in France.
Now it is time to remove the artificial setting of genetically modified foods " information barrier". My recommendation is that the relevant departments should seriously carry out epidemiological surveys, face reality, control risk , and implement prevention as a priority, to take effective preventive measures to ensure the safety of people's lives and the health and safety of the bottom line.
(The author is a former vice president of the Academy of Military Sciences)

Expert Profile
Mi Zhenyu, former vice president of Academy of Military Sciences, doctoral tutor, the generals Street
Eighth National People's Congress, the Ninth CPPCC National Committee,
The second, third and fourth degree Committee of the State Council Convenor military discipline, Convenor of the military council doctoral disciplines, Fifth National Postdoctoral Professional Personnel Committee.

[1] T. Bøhn et al, Compositional differences in soybeans on the market:. Glyphosate accumulates in Roundup Ready GM soybeans, Food Chemistry, online 18 December 2013
In translation : http://blog.sina.com.cn/s/blog_4bb17e9d0102ebkd.html
[2] TestBiotech, High levels of residues from spraying with glyphosate found in soybeans in Argentina, 2013-10-22 http://www.testbiotech.de/en/node/926
[3] Anthony Samsel and Stephanie Seneff, Glyphosate's Suppression of Cytochrome P450 Enzymes and Amino Acid Biosynthesis by the Gut Microbiome: Pathways to Modern Diseases, Entropy 2013, 15 (4), 1416-1463
In translation : http://blog.sina.com.cn/s/blog_6e9914110101ec4d.html
[4] EPA, Technical Factsheet on: GLYPHOSATE
[ 5 ] Information Times , one hundred births 5.6 flawed , March 7, 2013
[ 6 ] Reference News , Foreign media: Chinese elderly plagued by depression ,2013 -06-02
[ 7 ] Xinhua , the incidence of Parkinson's disease for at least the past 20 years, an increase of 20 times , 12 April 2007
[ 8 ] Health News , " China Cardiovascular Disease Report 2012 " published every 10 seconds one person dies effort ,2013 -08-12
[ 9 ] Guangzhou Daily , Guangdong incidence of chronic kidney disease in the country ,2013 -11-04

Appendix: " Technology Digest News " April 25, 2014 Mi Zhenyu "face import of genetically modified soybeans for 1.3 billion Chinese people 's health and safety hazard" to scan items


Comments by GenPeace

1 The “Agent Orange” was a mixture of 2,4.D, 2,5-T and some other toxic residues, but no glyphosate at all. The very serious health problems caused by the “agent” were due to the presence of a contaminant, 2,3,7,8-tetrachlorodibenzodioxin (TCDD), a very toxic component from the dioxin group.

2 The text is not related to the context. It may be a mistranslation.

3The paper of Bohm and colleagues was produced by a group of activists dedicated to prove that GMOs are dangerous and that the associated technology also increases risks. The methodology is very flawed and it is astonishing how such a bad paper could be accepted by a traditional scientific, peer reviewd journal. It is, by no means, the first trash that is accepted by a good journal, the paradigmatic example being that of Séralini (http://genpeace.blogspot.com.br/2013/09/is-seralinis-paper-dead-horse-should-be.html )

4The “independent” NGO TestBiotech is not a research institute and the text cited is not a paper. It lacks controls and a clear methodology and is in sharp contrast to other real papers, like the one published by Arreguí et al. (2003): the authors found no soybean samples with residues above the internationally agreed limit. Soil and water samples were also either negative or at very low level. Samples were taken from crop areas during consecutive crop years (http://www.ask-force.org/web/HerbizideTol/Arregui-Monitoring-Glyphosate-Residues-in-Soybean-2004.pdf )

5If the reader swallows 250ml of pure alcohol, acetic acid, fuel, mustard or hot chili, he or she will almost certainly die or face serious health consequences. Lower doses, however, may have no direct impact on his/her health...

6No references...

7The paper mentioned here has a few claims that may be true, but the whole of it is very bad. See a full comment on http://skeptoid.com/blog/2013/05/04/roundup-and-gut-bacteria/.What GenPeace really appreciates is the incisive approach Skeptoid has to unravel the truth: just have a look in the graph below, a Skeptoid contribution to the problem of “modern diseases”:

Useless to say, you can found a similar correlation to whatever food, drug or device whose adoption has seen a steady increase in the last 12 years...
8The translation is difficult here, but the main idea is clear: glyphosate leads to the increased incidence of all diseases listed in the paragraph.

9The numbers are false: a quick inspection of the EPA texts leads to the following information: Drinking water levels which are considered "safe" for short-term exposures: For a 10-kg (22 lb.) child consuming 1 liter of water per day, upto a ten-day exposure to 20 mg/L or up to a 7-year exposure to 1 mg/L. Moreover, the author mixes up acute and chronic effects: the latter could be renal and reproductive problems, but these remain as potential effects, not at all demonstrated or taken for granted.

10Our esteemed Lieutnan General Mi Zhen wrongly assumes in his calculations that all soybeans will be fed as grains to humans. Not at all! The vast majority of imported grains will be fed to pigs, chickens and other animals. The small fraction used for human consumption will be mostly transformed to oil, that has no glyphosate residues or only very small amounts of it. The final results will lower per capita intake to more than an order of magnitude!!

11The two paragraphs are irrelevant for the discussion on glyphosate and GM soybean impacts on health.

12The increase in depression rates was reported by Bloomberg website (http://www.bloomberg.com/news/2013-05-31/china-s-growing-ranks-of-elderly-beset-by-depression-study-says.html ) and has absolutely no correlation to glyphosate.

13The translation is confusing, but the message is clear: cancer cases of very different types and ehiologies are rapidly increasing in numbers among Chinese children.

14This Academy is indeed an assemblage of activists and has absolutely no relation to the true Academy of Medicine nor with any other serious academic or class agency in USA. The name is misleading, but anyone can easily check its origin and ideology: : just see what is in Wikipedia: Quackwatch lists the American Academy of Environmental Medicine (AAEM) as a questionable organization, and its certifying board, the American Board of Environmental Medicine as a dubious certifying board.[4] They are not recognized by the American Board of Medical Specialties.

15It is unclear what “hospital” could mean in the original text. As there are no references cited in this paragraph, it is not possible to track down the origin of this queer info.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Soja transgênica, “Academia Militar” Chinesa e riscos hipotéticos: um pouco de investigação esclarece o leitor

Mais uma vez a besteira está na mesa: a Academia Militar de Ciências Chinesa teria publicado um estudo mostrando que milhões de chineses estão doentes por causa da soja transgênica. A notícia está repetida em muitos blogs e sites, iniciando o rosário numa matéria do O Estado de S. Paulo de 09/05/2014. Lá a informação provém de um “artigo publicado pela Academia Militar de Ciências da China” que diz ter “evidências de danos à saúde de 1,3 bilhão de chineses”. O que há de verdade aí?

Nada. A tal Academia é uma Academia de Ciências Militares (e não uma Academia Miliar de Ciências, estilo IME ou ITA, que é coisa muito diferente), nada mais que um grupo (grande) de interessados em assuntos militares (http://en.wikipedia.org/wiki/Academy_of_Military_Science_(People's_Republic_of_China) ) . E o tal artigo não foi publicado, porque não é um artigo, é uma mera comunicação a um encontro técnico na China. E não é um estudo da academia, é uma opinião de um coronel de lá, ex vice-presidente da tal Academia, que vê na soja GM a causa do aumento de uma série de doenças entre os chineses (veja figura). Além disso, o grão da soja transgênica que chega lá (inclusive a brasileira) é dada essencialmente aos porcos e galinhas, não é para consumo humano. O que os chineses comem desta soja é o óleo, que é EXATAMENTE IGUAL ao óleo da soja não transgênica.

Enfim, o que o Estadão publicou é apenas e tão somente um besteirol, mas feito propositalmente para dar a impressão de que algo grave foi demonstrado em relação à saúde humana, tendo como causa a soja GM. Qual variedade de soja, evidentemente, não é citada (há umas duas dúzias), mas em alguns sites já está explícito: é a da Monsanto...

Para os sites que propagam este besteirol (como papagaios do Estadão), vejam:
2.       Pratos limpos -http://pratoslimpos.org.br/?p=6957

De onde proveio esta informação, uma vez que o chinês não é exatamente um idioma popular entre os brasileiros, nem a China é um exemplo de transparência? Tudo indica que a coisa veio do Sustainable Pulse ou do Food Democracy Now, sites de oposição aos transgênicos e a tudo que é novidade tecnológica que possa afetar direta ou indiretamente a vida dos americanos. Mas nosso jornalista bebeu na fonte do Real Farmacy, que neste caso é apenas água servida do esgoto dos outros dois sites. Os links vão abaixo:

Curiosamente, lá no Sustainable Pulse esta claro que o “artigo” é na verdade um resumo publicado num jornal dedicado a questões militares e que o autor é ex (observem bem, ex) vice-presidente da tal Academia de Ciências Militares. O Coronel Mi Zhen-yu é apenas mais um curioso a escrever sobre o que pensa: suas especulações não têm a menor base na observação científica.

Concluo aqui afirmando que o uso destes estratagemas reduz o mérito da luta ambiental e deveria ser evitado.

Apêndice 1: o resumo do texto do coronel, traduzido e disponível no Food Democracy now, parece ser o que está abaixo. Como se pode ver, o tal artigo é simplesmente uma opinião, resumida a poucos parágrafos (1.500 palavras). Erroneamente, o nosso coronel vermelho imagina que o óleo de soja é a causa de tudo, esquecendo que não há a mais ínfima diferença entre os óleos das sojas GM e convencionais, nem resíduos de pesticidas nestes óleos. No fim de seu resumo ele sugere que se façam estudos epidemiológicos, no que está certo. 

In 2013, China imported 63.38 million tons of GM soybeans from USA and other countries. Most of China's imported GM soybeans are used to extract soybean food oil (one of the main tradenames is "Golden Fish" ). GM soybean oil, widely used not because of its quality but rather due to its cheap price, has rapidly dominated China's soybean food oil market, covering most of the restaurant industry and canteens in China. The glyphosate residue contained in GM soybean food oil (and GM soybean protein powder processed from GM soybean cake, a by-product of GM soybean food oil) eaten three meals a day, continuously penetrates the bodies of most Chinese, including children at kindergarden, primary school and middle school, university students and teachers, staff members and soldiers of the Chinese army, government staff members, and other consumers (with exception of special food supplied units).

During the past 20 years, the health level of the Chinese people has rapidly deteriorated with various diseases rapidly increasing. The situation is shocking. China's national health has deteriorated sharply in recent years. Although weather, water pollution and other factors also exist, the harm from GM soybeans can not be eliminated. Assuring absolute safety of the food supply is a firm policy of the state. On the massive issue of human health and life, we have no room for trial and error. Now is the time to dismantle the "information barrier" on GM food.

Concerned departments should seriously carry out epidemiological investigations, face up to reality, control the risks, carry out the prevention priority principle, and adopt effective measures to ensure the bottom line of life and health safety of the people

Mas o texto chinês que está impresso no jornal e que aparece no nosso blog acima é muito mais longo: traduzido e incluindo as referências, ele tem cerca de 10.000 palavras e seu conteúdo é uma colagem de preocupações que circulam na internet com uma pseudo roupagem científica. Ao que tudo indica o velho coronel empenhou pelas orelhas, além de dizer disparates (como o glifosato ser componente do agente laranja!). Devemos dar a ele, contudo, o atenuante de algum erro de tradução.

O blog de onde veio a informação é chinês (blog.sina.com.cn/s/blog_4bb17e9d0102edhg.htmlblog.sina.com.cn/s/blog_4bb17e9d0102edhg.html)  e é cuspido e cagado o site do Sustainable pulse ou outro congênere ocidental, De lá os meus caros 5 ou 6 leitores podem copiar o texto e colar no Google translator, como eu fiz.

Apêndice 2: Vale a pena uma leitura da matéria do Estadão (link), origem da folie furieuse que se desencadeou entre os sites “engajados na luta contra os OGMs”. A matéria traz ao leitor as mais recentes informações que circulam contra as plantas transgênicas e sua adoção no Mundo.

Logo no início a matéria nos fala da proibição que o Senado Frances fez à única variedade de milho transgênico que vem sendo plantada na Europa. O que elaesqueceu de dizer foi que todos os órgãos técnicos franceses foram claros em afirmar: esta proibição não faz sentido do ponto de vista de segurança ambiental e à saúde. Foi uma decisão política, nada mais.

Depois otexto envereda pelo caso da tal Academia Militar de Ciências, que já comentei antes. E continua no caso curioso do Sri Lanka, dizendo que o Governo de lá proibiu a venda do glifosato por causa de uma correlação com doença renal crônica naquele país. Aqui ele resvalou da crítica aos transgênicos à luta contra os pesticidas. Depois que um artigo científico feito por pesquisadores do Sri Lanka foi publicado sobre esta correlação, o Governo local resolveu suspender temporariamente a venda de glifosato. No mesmo site do Sustainable Pulse citado anteriormente (http://sustainablepulse.com/2014/05/13/sri-lanka-lifts-ban-sale-glyphosate/#.U3uRi9JdXrQ) está informado, entretanto, que no dia 12 de maio a suspensão das vendas de glifosato no Sri Lanka havia sido terminada por ordem do Ministério da Agricultura, por falta de justificativas para impor um banimento. Como o texto é de 9 de maio, a gente entende...mas um bom jornalista deve cheirar a barriga: é evidente que um país não vai suspender o uso do herbicida considerado mais seguro e mais empregado na agricultura por causa de um artigo científico isolado e muito especulativo. Para os leitores que podem avaliar o texto que deu origem ao imbróglio no Sri Lanka,  o link está aqui: http://www.mdpi.com/1660-4601/11/2/2125.

Em seguida o nosso bom jornalista resvala para a rotulagem, que nada tem a ver com a segurança dos transgênicos, mas com um direito de informação do consumidor. E termina misturando vaca louca, cabras transgênicas no Ceará e Luiz Gonzaga. Coitado do Velho Lua, que sempre foi um desenvolvimentista e queria para o Nordeste o que existe de mais avançado, sem perder as tradições de nossa gente.

Fonte da imagem: revistaescola.abril.com.br

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Onde o Princípio da Precaução entra na questão dos agrotóxicos e os transgênicos?

Este texto é a continuação de Princípio da Precaução, herbicidas e plantas transgênicas, postado em 13 de maio de 2014.

Comecemos  a discussão pelos agrotóxicos, que sabidamente podem ser prejudiciais à saúde e ao ambiente. Ora, se formos inteiramente avessos ao risco, não devemos adotar o uso destes produtos na agricultura e em nenhuma outra atividade. Mas tóxicas também são muitas outras substâncias que fazem parte do nosso dia a dia e das quais não abrimos mão, ainda que possam afetar nossa saúde e o ambiente: a gasolina, os sabões e outros saneantes, as bebidas alcoólicas e um mundo de outros produtos. Também agridem o ambiente de forma notável os produtos eletrônicos, os plásticos, as tintas, etc., etc. Mas nada disso tem seu uso proibido e, sim, regulado, inclusive os agrotóxicos. O que faz o legislador? Determina que órgãos e agências reguladoras disciplinem e fiscalizem o uso destes produtos e obrigam os seus produtores e por vezes os vendedores a produzir documentos explicativos com regras de uso detalhadas e a explicar isso aos compradores. Assim são reduzidos os riscos e minimizados os danos a um nível compatível com os benefícios que o produto e a tecnologia associada trazem ao usuário ou ao país. Quando há desvios no uso e isso redunda em prejuízo, o usuário é punido.

Os agrotóxicos: riscos reais e incertezas
Examinando em maior detalhe a questão dos agrotóxicos, é fácil ver que são fortemente regulados no país: nada é produzido sem fiscalização, vendido sem registro ou empregado sem controle. Estão em jogo a necessidade do usuário (o agricultor) e o respeito e a proteção à saúde e ao ambiente. O risco é real, bem conhecido, e sua gestão é complexa, mas dominada em todos os níveis, desde a produção, até o descarte, passando pelos resíduos nos alimentos e no ambiente. Uma vez seguidas as recomendações do fabricante e a conduta agrícola adequada, os danos serão aceitáveis, frente aos benefícios que o agrotóxico traz ao agricultor. Além disso, antes de sua liberação comercial, uma longa e detalhada avaliação de risco é levada a cabo pela ANVISA, que pode e deve ser refeita sempre que novos dados confiáveis impliquem em riscos não previamente avaliados ou em novos níveis de risco. Aqui não há, portanto, diferença alguma em relação a muitos outros produtos que empregamos diariamente. Onde, então, estão as incertezas que permitiriam a aplicação do “princípio da precaução” aos agrotóxicos? Com o enorme volume de informação que existe sobre estes produtos (sobretudo os que já estão por mais de 20 anos no mercado), não restam quase incertezas.
No outro extremo estaria a certeza de danos importantes, mas a fiscalização de resíduos, descartes e outros elementos da cadeia de uso dos agrotóxicos e o acompanhamento de registros de intoxicações mostram que os danos mais graves não têm origem no uso preconizado, mas em falhas e que, de toda forma, são compatíveis com a tecnologia. Há, sim, danos associados ao uso correto, que incluem certa perda de biodiversidade agrícola. Os danos, contudo, são reversíveis e considerados dentro da faixa de danos que é compatível com os benefícios econômicos e mesmo ecológicos resultantes do uso da tecnologia.
Na primeira conclusão desta história, podemos dizer que a maior parte dos agrotóxicos em uso não tem razão de ser proibida e retirada do mercado, como também para os saneantes, lubrificantes, embalagens plásticas, etc.: nem o “princípio da precaução” se aplica neste caso, nem uma situação extrema de danos é real. O que é preciso, e de fato existe, é um controle rígido (http://www.agricultura.gov.br/vegetal/agrotoxicos).  

Numa próxima postagem comentaremos a relação entre o Princípio da Precaução e os transgênicos

terça-feira, 13 de maio de 2014

Mosquitos transgênicos, muriçocas e saneamento: vários alvos e várias soluções

Em comentários a notícia veiculada no blog do Geraldo José, de Petrolina (http://www.geraldojose.com.br/index.php?sessao=noticia&cod_noticia=50807) o Roberto Malvezzi, conhecido como Gogó, trouxe à discussão uma série de informações que merecem discussão, sobretudo em consideração à longa história de luta do Gogó pelo rio São Francisco e pelas comunidades do vale. Além disso, ele mora em Juazeiro, o que lhe dá uma visão privilegiada da questão social do controle de vetores.

O texto comentado
Primeiramente, ele nos traz a informação de que os bairros de Mandacaru e Itaberaba são muito pobres, estando entre os mais pobres de Juazeiro. Foi justamente por isso que foram os bairros escolhidos para a liberação planejada, pois a existência de muitos criadores de Aedes aegypti está associada à falta de abastecimento de água regular e ao elevado número de recipientes que podem acumular água em terrenos baldios e quintais de bairros pobres, ao menos no Nordeste do Brasil. A escolha não foi determinada socialmente, mas biologicamente, tanto aqui como no Caribe ou em qualquer outra parte do Mundo. Mais adiante vou comentar o trabalho levado a cabo pela Fiocruz no controle da muriçoca em Recife, e comentado pelo Gogó, mas já adianto: foi executado num dos bairros mais pobres do Recife, e a escolha não foi feita para transformar a população pobre em cobaia, mas por razões biológicas.

Logo em seguida o Roberto comenta que a liberação planejada foi feita sem os cuidados da precaução, fazendo dos moradores cobaias dessa experiência. É fácil dizer isso, sem mostrar claramente o porque. A CTNBio analisou com muito cuidado todos os possíveis riscos e concluiu que os riscos desta liberação planejada eram efetivamente nulos. Uma vez aprovada a liberação, ela foi conduzido sob a tutela da USP. A população dos dois bairros na verdade se beneficiou da redução do A. aegypti, o vetor da dengue, nos anos em que durou a tal “experiência”: ninguém foi cobaia de coisa alguma. Seria bacana se o Roberto fizesse o que faz quando luta contra os desmandos do poder do Estado e das empresas no vale do São Francisco: mostrasse dados concretos.

Na frase seguinte à do comentário acima o Roberto afirma que a CTNBio já liberou a experiência para todo território nacional. Não é nada disso: a CTNBio liberou o produto para o comércio, já não há experiência alguma e os riscos foram provados como sendo negligenciáveis. De toda forma, haverá um monitoramento da liberação comercial, segundo consta do dossiê de liberação comercial e está em análise na CTNBio. O uso de palavras inadequadas como as empregadas pelo Roberto leva o leitor à conclusão de que, de fato, os brasileiros serão cobaias em larga escala, o que evidentemente seria uma enorme irresponsabilidade da CTNBio.

A presença maciça de mosquitos na cidade de Juazeiro também foi comentada e, de fato, é uma realidade. Mas o que incomoda os moradores em quase todas as cidades é muito mais a muriçoca comum, que não transmite a dengue nem cruza com o vetor desta virose. É contra ela que são usados os mosquiteiros comentados no seu texto: em cima das camas e, num caso extremo, por cima das mesas de bar, à noite. O mosquito da dengue voa de dia e contra ele os mosquiteiros não dão certo, só prá quem dorme fora do horário habitual. A confusão que o texto traz entre o mosquito da dengue e os demais é danosa à compreensão do contexto da luta contra o vetor.

Danosa também é a apresentação do problema de controle do mosquito como se o mosquito fosse uma única espécie. A solução para o controle dos mosquitos pode ser bastante diferente entre as várias espécies. As espécies do gênero Culex são endêmicas no Brasil e espalhados em todo o território, inclusive nas áreas silvestres. Já o Aedes aegypti é uma espécie exclusivamente urbana. Seus criadouros são também bastante diferentes, assim como seus hábitos na hora de buscar sangue para a refeição. Misturar todos os mosquitos num balaio só demonstra falta de trânsito na área de controle. O amadorismo não se encaixa na seriedade que se espera de um formador de opiniões importante como o Malvezzi.

Por fim, o Gogó se pergunta: Será mesmo que a proliferação dos outros mosquitos na cidade nada tem a ver com a soltura do Aedes transgênico ? E os demais possíveis desequilíbrios ambientais foram efetivamente avaliados? A primeira pergunta é inteiramente descabida, uma vez que a liberação de um mosquito que morre depois de duas semanas não pode, de forma alguma, contribuir para aumentar a população de outros mosquitos, nem sequer os da mesma espécie. Mais uma vez, entrando num assunto do qual não tem conhecimento necessário, o Roberto faz de seus comentários uma ferramenta para espalhar medo e desinformação e isso contradiz seu longo histórico de argumentos consistentes contra a transposição e outras barbaridades impetradas contra os ribeirinhos. Os demais desequilíbrios foram identificados e avaliados e os riscos considerados negligenciáveis. Nada foi esquecido, ao contrário do que deixa transparecer o texto.

Numa réplica ao meu comentário no blog, o Gogó nos traz um texto de um ex-membro da CTNBio, a Dra. Lia Giraldo, onde ela tece considerações sobre a dengue e seu controle. Vale a pena uma leitura atenta:

“ Prezados, o MS sempre propagou sucesso no controle da dengue quando insere medidas (como um novo programa) logo após um surto epidêmico. É importante que se saiba que logo após um surto epidêmico temos um período longo, chamado de silêncio imunológico, pois a alta exposição populacional ao vírus causa uma imunidade natural a esses expostos, aí começa um processo de surgimento de novos susceptíveis ao vírus, ou quando entra um outro vírus, ocorre uma novo surto. Essa questão do Aedes transgênico foi liberado tb no Paraguai, sempre em comunidades pobres. A preocupação é justa, pois é muito cedo para cantar vitórias. Especialmente se computarmos outros problemas dela introdução em um nicho ecológico de uma espécie exogena. Ao menos já existe um incômodo constatado. Os enxames de mosquito. A dengue não é uma doença grave, é uma virose que se houve assistência e acompanhamento médico ninguem morre. É de baixíssima letalidade. No Brasil é uma vergonha a mortalidade por dengue, por falta de assistência médica e equívocos na condução clínica dos casos. Na atenção primária à saúde os profissionais não estão preparados para atender e acompanhar os casos de dengue. Sabemos que a hidratação previne muitas complicações, pois é o choque hipovolêmico que é responsável pela morte. Em Cuba, ninguém morre de complicações hemorrágicas do dengue, mesmo considerando a alta incidência dessas complicações. Publiquei um livro em 2004, denominado Abordagem ecossistêmica em saúde: ensaios para o controle do dengue em Pernambuco. Em Recife, conseguimos fazer uma resistência a esses modelos químico-dependentes de controle vetorial. O debate está aberto. A CTNBio, todos sabem, está para legitimar os interesses da biotecnologia e não da biossegurança"

O texto quase nada tem a ver com o uso de mosquitos machos estéreis para o controle de populações de A. aegypti, que é do que se trata a questão. Aqui se fala de uma liberação ocorrida no Paraguai, em comunidade pobre, que nunca existiu. Fala-se que a dengue não é uma doença séria e que o Ministério da Saúde brinca com os dados para dar imagem boa ao Governo. E se conclui com a mesma frase que outra pessoa citou em comentário ao texto do Gogó: A CTNBio, todos sabem, está para legitimar os interesses da biotecnologia e não da biossegurança. A Lia Giraldo se afastou da CTNBio porque sempre achou que a Comissão agia sem atendimento às normas de biossegurança. Mas, quando esteve lá, seus argumentos eram sem base científica. E, depois disso, pelo que se depreende do texto acima, não melhoraram muito.

A abordagem ecossistêmica que a Lia comenta é um conjunto de ideias bem alinhavadas, baseadas muito mais em experiências prévias com Culex (a muriçoca comum) do que em trabalhos efetivos com Aedes, o vetor da dengue (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000300033 ). De toda forma, é um trabalho teórico, nunca foi posto efetivamente em prática. Curiosamente, ele afirma (e com razão) que o controle do mosquito (e sua futura erradicação) é o que precisa ser buscado. Ora, se a virose não apresenta de fato gravidade e o problema maior é de assistência médica, o programa devia centrar na capacitação médica! Chega a preocupar ler as afirmações do texto da Lia, veiculadas aqui pelo Gogó: se os gestores de saúde pública acham que a dengue é uma virosezinha à toa, o que dizer dos políticos e do governo?

Para meu espanto, o Gogó comenta que encontrou a novíssima informação de que a soja transgênica pode cruzar com o Amaranthus e produzir uma nova planta híbrida resistente a tudo que é herbicida e, naturalmente, tão invasora quanto o Amaranthus. Rogo aos leitores que comentem esta informação e tragam dados concretos pois, se for verdade, estaremos vendo uma revolução dos conceitos da biologia.

Um dia depois que postei a primeira versão deste post, recebi  de um amigo o comentário enviado a ele por um pesquisador cubano, referente ao texto da Dra. Lia Giraldo, acima. O pesquisador é cubano e trabalha há muitos anos no Instituto de Engenharia Genética de Havana.

From: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Date: 2014-05-14 14:15 GMT-03:00
Subject: Fwd: GenPeace

Francisco leíste este mensaje de genpeace¿??
En el texto en azul dice que en Cuba nadie muere por la enfermedad. Eso no debe ser verdad. En Cuba también hay complicaciones y muertes. Lo que si es cierto, que no es precisamente el enfoque de ese texto en azul, que hay una gran preocupación por acabar con los niveles de infestación por Aedes. Siempre hay altísimo nivel de aplicación de químicos para mantener la población de mosquitos en un bajo nivel...

Assim vocês podem ver o quanto é fantasioso o texto da Lia Giraldo. É evidente que Cuba tem uma medicina muito melhor que a nossa, mas a dengue não é uma virose à toa e, lá como cá, eles empregam muito inseticida e larvicida para controlar o vetor. Também lá, como cá, se morre de dengue.